Lacen começa a realizar exames para detectar a Mpox

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
A VPN is an essential component of IT security, whether you’re just starting a business or are already up and running. Most business interactions and transactions happen online and VPN

O exame que será realizado no Piauí é do tipo PCR, considerado padrão ouro para diagnóstico da doença.

O Laboratório Central de Saúde Pública “Dr Costa Alvarenga”, o Lacen, realizará testes para o diagnóstico da Mpox, que anteriormente era chamada de varíola dos macacos. Antes, as amostras eram enviadas para o Instituto Evandro Chagas, em Belém (PA), e o resultado demorava em média 20 dias para chegar ao estado. Agora, o diagnóstico molecular sendo feito no Lacen e o resultado sairá em menos de cinco dias.

O exame que será realizado no Piauí é do tipo PCR, considerado padrão ouro para diagnóstico da doença. O procedimento é feito a partir de amostras das lesões. Se elas ainda tiverem líquido no interior é feita a coleta. Em caso de feridas já secas é realizada a raspagem.

O Lacen já tinha o equipamento chamado de Termociclador de PCR em tempo real, mas precisava dos kits específicos para o diagnóstico da doença.

O Kit Molecular Monkeypox (MPXV) foi desenvolvido pelo Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos), da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). O Ministério da Saúde enviou ao Piauí 400 kits, que rendem um total de 96 amostras cada um.

De acordo com o supervisor do Laboratório Bio Molecular do Lacen, Adelino Soares, o Piauí ganha em agilidade no resultado dos exames. “Antes tínhamos que aguardar mais de 20 dias por um resultado, pois o material era enviado ao Pará. Agora, em menos de cinco dias, podemos ter acesso ao diagnóstico, sendo mais eficaz o atendimento ao paciente”, afirma.

Até o momento, o Piauí possui 39 casos confirmados da doença, sendo 95% registrados em homens.

A Mpox é uma doença zoonótica viral causada pelo vírus Monkeypox. A transmissão para humanos pode ocorrer por meio do contato com animal silvestre ou humano infectado com o vírus. A manifestação ocorre por meio de lesões na pele, tipo papulovesiculares e crostas.

Fonte: Ascom/ Pi.gov

Telsirio

Telsirio

Faça um comentário!

Receba nossas notícias em tempo real!

Não enviamos spam!